FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DE BENS, SERVIÇOS E TURISMO DO ESTADO DA BAHIA

Central do conhecimento

Tributos
27 de agosto de 2021

CONVITE A TODOS OS EMPRESÁRIOS

EVENTO DIÁLOGOS EMPRESARIAIS

SEMINÁRIO SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIETÁRIA

05/06, das 8h às 12h, na Casa do Comércio

Renomados palestrantes das áreas do Direito Penal, Trabalhista e Tributário, como Gamil Foppel e Valton Pessoa, estarão presentes para abordar temas que impactam diretamente na vida do empresário.  Clique aqui e inscreva-se-já.

ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA

Instrução normativa da RFB 1.806 de 11.05.2018.

Altera a Instrução Normativa RFB nº 1.702, de 21 de março de 2017, que disciplina o despacho aduaneiro de exportação processado por meio de Declaração Única de Exportação (DU-E).

A Receita Federal publicou, no Diário Oficial da União de 8 de maio, o Ato Declaratório Executivo Copes nº 2, de 4 de maio de 2018, que dispõe sobre o formato de arquivo digital a ser apresentado pelas empresas tributadas com base no Simples Nacional relativamente a informações sobre o recebimento e a manutenção de recursos de exportação no exterior (anteriormente prestadas via Derex), conforme obrigação prevista no art. 4º da Instrução Normativa RFB nº 1.801, de 26 de março de 2018.  Extinto pela Lei Estadual 13.957 de 16.05.2018 – O fundo de Investimentos Econômico e Social da Bahia.

NOTÍCIAS DIVERSAS

esocial_0.png

O uso do sistema é obrigatório desde 08 de janeiro de 2018 – conforme etapas detalhadas abaixo – e as informações nele prestadas têm caráter declaratório, constituindo instrumento hábil e suficiente para a exigência dos tributos e encargos trabalhistas delas resultantes e que não tenham sido recolhidos no prazo consignado para pagamento.

Neste primeiro momento, deverão enviar informações pelo e-Social as empresas com faturamento superior a R$ 78 milhões em 2016 ou que fizeram a adesão antecipada ao sistema. Confira abaixo o cronograma de implantação:

Etapa 1 – Empresas com faturamento anual superior a R$ 78 milhões

Fase 1: 08/01/2018 – Apenas informações relativas às empresas, ou seja, cadastros do empregador e tabelas.

Fase 2: Março/18: Nesta fase, empresas passam a ser obrigadas a enviar informações relativas aos trabalhadores e seus vínculos com as empresas (eventos não periódicos), como admissões, afastamentos e desligamentos.

Fase 3: Maio/18: Torna-se obrigatório o envio das folhas de pagamento.

Fase 4: Julho/18: Substituição da GFIP (Guia de Informações à Previdência Social) e compensação cruzada.

Fase 5: Janeiro/19: Na última fase, deverão ser enviados os dados de segurança e saúde do trabalhador.

 

Etapa 2 – Demais empresas privadas, incluindo Simples, MEIs e pessoas físicas (que possuam empregados)

Fase 1: Julho/18 – Apenas informações relativas às empresas, ou seja, cadastros do empregador e tabelas

Fase 2: Set/18: Nesta fase, empresas passam a ser obrigadas a enviar informações relativas aos trabalhadores e seus vínculos com as empresas (eventos não periódicos), como admissões, afastamentos e desligamentos

Fase 3: Nov/18: Torna-se obrigatório o envio das folhas de pagamento.

Fase 4: Janeiro/19: Substituição da GFIP (Guia de informações à Previdência Social) e compensação cruzada.

Fase 5: Janeiro/19: Na última fase, deverão ser enviados os dados de segurança e saúde do trabalhador.

 

Etapa 3 – Entes Públicos

Fase 1: Janeiro/19 – Apenas informações relativas aos órgãos, ou seja, cadastros dos empregadores e tabelas.

Fase 2: Março/19: Nesta fase, entes passam a ser obrigadas a enviar informações relativas aos servidores e seus vínculos com os órgãos (eventos não periódicos) Ex: admissões, afastamentos e desligamentos.

Fase 3: Maio/19: Torna-se obrigatório o envio das folhas de pagamento.

Fase 4: Julho/19: Substituição da GFIP (Guia de Informações à Previdência) e compensação cruzada.

Fase 5: Julho/19: Na última fase, deverão ser enviados os dados de segurança e saúde do trabalhador.

 

Receita Federal vai fiscalizar repatriação irregular de recursos.

ARTIGO

A utilização do expediente administrativo de oferta antecipada de garantia em execução fiscal disciplinada na Portaria PGFN n. 33/2018, para fins de obtenção de certidão positiva com efeito de negativa de débitos tributários

A sempre tormentosa necessidade de certidão positiva com efeito de negativa de débitos tributários, para fins de regular exercício das atividades empresariais, durante a interminável leniência do credor tributário em promover o ajuizamento da ação de execução fiscal para fins de satisfação de seu crédito, sempre levou os empresários a utilizarem diversos expedientes que não prejudicassem as atividades negociais.

Inicialmente utilizando as antigas ações cautelares de caução, passando pelas antecipações de tutela de forma preparatória, os Contribuintes sempre se sagraram vencedores a União Federal sempre perdeu de tais lides judiciais, arcando inevitavelmente com o custo da sucumbência, com prejuízo aos cofres públicos.

Eis que no último mês de fevereiro de 2018, a Procuradoria Geral da Fazenda Nacional – PGFN toma importante iniciativa de resolver tal lacuna, através da Portaria PGFN n. 33/2018, disciplinando, a partir do art. 8º da citada Portaria, a OFERTA ANTECIPADA DE GARANTIA EM EXECUÇÃO FISCAL a ser utilizado pelo contribuinte, em até 10 dias pós a intimação sobre a inscrição do débito em dívida ativa e antes do ajuizamento da execução fiscal pertinente, mediante requerimento à PGFN, ofertando em garantia do débito em questão, dinheiro, seguro garantia/fiança ou quaisquer outros bens ou direitos sujeitos a registro público, passíveis de arresto ou penhora, observada a ordem de preferência estipulada na Lei de execuções Fiscais.

Os efeitos jurídicos relevantes de tal iniciativa por parte do sujeito passivo, são:

I.Não mais precisar valer-se de expedientes judiciais onerosos para o contribuinte em termos de custas processuais e honorários advocatícios

II.Assegurar, enquanto válida estiver tal oferta, o recebimento de certidão positiva de débitos com efeito de negativa de débitos – CPEND;

III.Não se sujeitar aos efeitos nefastos das representações provocadas pela PGFN constante no art. 7º da citada Portaria.

É válido destacar que a oferta em questão se sujeita a avaliação do juízo de conveniência e oportunidade da PGFN no aceite do bem oferecido, podendo o Fisco recursar tal oferecimento nas hipóteses previstas na Portaria, como no caso de oferta de bens inservíveis, de difícil alienação ou objeto de constrição anterior por credor privilegiado, por exemplo, somente produzindo efeitos tal oferta após o efetivo aceite do credor tributário, que o nomeará à penhora imediatamente quando do ajuizamento da respectiva ação de execução fiscal.

Em que pese a louvável iniciativa do Fisco Federal em criar e regular tal procedimento administrativo, efetivamente as consequências decorrentes da recusa de tal oferta por parte do Fisco ou o seu não exercício pelo Contribuinte, previstas no art. 7º (restrições do exercício da atividade econômica, dentre outras) e 36º (pedido de indisponibilidade de bens no âmbito de execuções fiscais) da Portaria em questão, certamente serão objeto de contestação judicial, por se mostrarem flagrantemente ilegalidade e inconstitucional.

Assim, somente o tempo e o Poder Judiciário dirão se tal expediente administrativo será efetivamente utilizado pelos contribuintes como instrumento administrativo de obtenção de CPEND e se as consequências jurídicas decorrentes do não aceite por parte da PGFN ou não exercício de tal faculdade são legítimos, legais e de acordo com as normas constitucionais.

Estaremos acompanhando!!!

SÉRGIO COUTO é Advogado Tributarista, membro da Câmara de Assuntos Tributários da Fecomércio-BA e sócio do Escritório SÉRGIO COUTO Advogados Associados.

 

 

Nota: Os artigos aqui publicados ou redirecionados, não expressam necessariamente o posicionamento ou opinião da Fecomércio. São de responsabilidade exclusiva dos seus autores.