FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DE BENS, SERVIÇOS E TURISMO DO ESTADO DA BAHIA

Central do conhecimento

ICEC 2022 | DEZEMBRO

ICEC
27 de dezembro de 2022

COMERCIANTES CHEGAM MAIS OTIMISTAS NESTE FINAL DE ANO, APONTA FECOMÉRCIO-BA

Visão mais negativa está mais na economia em geral do que do próprio negócio. E a positiva, em relação a investimentos.

O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC), elaborado mensalmente pela Fecomércio-BA, registrou estabilidade técnica em dezembro, ficando nos 122,4 pontos, ante os 122,7 pontos de novembro. Porém, os empresários chegam neste final de ano mais otimistas do que em dezembro de 2021, quando o ICEC foi de 116 pontos, ou seja, alta de 5,5%.

O ICEC varia de 0 a 200 pontos, sendo que entre o intervalo de 100 a 200 pontos é considerado um patamar de confiança dos empresários de Salvador e, de 0 a 100 pontos, nível de pessimismo. Quanto mais perto dos extremos, 0 e 200 pontos, mais confiante ou mais pessimista estará o empresário do comércio.

Dos três subíndices analisados pelo indicador, o destaque positivo foi o de investimento do empresário do comércio (IIEC) que apontou elevação mensal de 1,3% e chega aos 110,3 pontos. No contraponto anual também houve avanço, de 6,7%.

Os empresários do comércio de Salvador aumentaram o seu otimismo em relação aos investimentos (+2,7%). Isso se deve tanto pelo aumento de estoque para este final de ano, quanto na questão de funcionários para atender uma demanda maior no melhor período do comércio no ano. A injeção do 13º salário tem animado os empresários que esperam que uma parcela relevante desses recursos possa ser destinada às compras.

Em relação as condições atuais do empresário do comércio (ICAC), houve uma ligeira queda em relação a novembro, de -1,1%, mas o patamar de 97,3 pontos está 7,7% acima do visto no mesmo período do ano passado. O que é interessante notar é a assimetria da análise do empresário. Enquanto há um pessimismo maior quando se trata da economia em geral, por outro lado, houve um aumento do otimismo na avaliação do setor e do próprio negócio. Trata-se de uma leitura de que a economia

segue com muitos desafios, mas comércio tem conseguido bons resultados.

No entanto, quando se olha um pouco mais para frente, para o futuro próximo, houve uma redução do otimismo tanto em relação a economia em geral, quanto na análise do comércio em si. De qualquer forma, o índice de expectativa do empresário do comércio (IEEC) está numa área otimista confortável, de 159,6 pontos, pouco abaixo dos 160,9 pontos de novembro, mas acima dos 154,2 pontos de dezembro de 2021.

Portanto, o empresariado do comércio soteropolitano chegar neste final de ano com mais otimismo do que se tinha neste mesmo período do ano passado. Diante do que o setor viveu ao longo deste ano, inflação e juros elevados, ter mais otimismo é muito relevante e deve ser comemorado.

É o cenário ideal? Não. O setor ainda precisa de condições mais favoráveis, de mais emprego, inflação mais baixa e os juros num patamar razoável, muito longe dos atuais 13,75% ao ano. Contudo, o ano de 2023 sem pandemia e guerra, trará um quadro mais estável, o que ajudará no aumento das vendas e da confiança do empresário do varejo.