FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DE BENS, SERVIÇOS E TURISMO DO ESTADO DA BAHIA

Central do conhecimento

VAREJO BAIANO | SÃO JOÃO 2024

Varejo Baiano
5 de junho de 2024

COMÉRCIO E TURISMO COM CENÁRIO POSITIVO PARA O MÊS DO SÃO JOÃO, AVALIA FECOMÉRCIO-BA.

Compras nos supermercados devem crescer e movimentação nas rodoviárias mostram a importância do evento para o Turismo. Talvez o momento mais esperado do ano para muitos baianos: os festejos de São João. E a economia do estado se anima com a chegada de uma festa tão importante para os negócios, para a geração de emprego e renda. Muitos segmentos se beneficiam nesse período de junho, como os supermercados, setor de vestuário e pelo lado dos serviços, o turismo. Pelo varejo, a Fecomércio-BA estima que supermercados e vestuário movimentem 5,56 bilhões de reais no mês de junho, o que representa uma alta de 5,5% na comparação anual. Esse dado não reflete especificamente os gastos das famílias de compras para o São João, mas dada a importância do evento é possível pensar que são tendências correlatas. Os supermercados devem ser o destaque com aumento esperado de 6,5% com a movimentação da maior parte do faturamento, de R$ 5 bilhões. Como a Entidade sempre analisa nessas grandes celebrações, são tanto os consumidores que compras comidas e bebidas para fazerem seus eventos com familiares e amigos, quanto empresários que precisam abastecer seus estoques para atender um público maior num hotel, restaurante, festas e etc. Em relação a preços, os ingredientes para os pratos tradicionais do São João estão com aumento anual, em sua maioria, acima da inflação média da região de Salvador, de 3,49%. Chama a atenção o aumento de 21,95% do arroz, mas bem menos expressivo estão o milho verde (7,42%), maça (7,26%) e leite de coco (3,78%). Alguns outros itens ajudam nessa balança, pois apresentam retração no acumulado de 12 meses, como é o caso da farinha de trigo (-19,04%) e da mandioca (-7,45%). Essas informações são do IPCA, levantamento mensal do IBGE. Já o setor de vestuário deve apresentar queda de 3%. Contudo, é preciso entender que além de uma disputa com o mercado online, muitos consumidores já compraram suas roupas festivas no pós pandemia, sendo agora compras mais residuais. Até por imaginar que a renovação de guarda-roupa não é um ato frequente ou anual. Pelo lado dos serviços, o turismo também se desponta no São João, como pode ser observado através da movimentação da rodoviária de Salvador. Desde 2019, quando há dados disponíveis no Observatório do Turismo da SETUR-BA, a movimentação no mês de junho, de embarques e desembarques, ou é o mais alto no ano ou o segundo, excetuando 2020 e 2021, quando o país vivia intensamente o Covid-19 e havia restrições de circulações, além de não ter tido os tradicionais festejos de São João. No ano passado, por exemplo, a movimentação no mês foi de 542,7 mil, a maior do ano, superando inclusive dezembro, com 510 mil. Não na mesma expressividade das rodoviárias, mas a circulação nas rodovias pedagiadas também trazem uma dimensão da importância do mês de junho para o estado, tendo esse 6º mês como um dos de maiores fluxos no ano. Como é uma festa essencialmente regional, essa tendência da rodoviária não se repete quando se analisa os dados do aeroporto de Salvador, tendo junho como um dos meses de menor movimentação. Os turistas que vem para o estado vindo de São Paulo, Minas Gerais e Salvador, principais emissores, aproveitam os festejos na cidade, mas não é o objetivo de sua viagem. Mesmo havendo esse olhar mais local, é importante destacar que o consumidor baiano está com a situação econômica mais forte, sobretudo pela menor taxa de desemprego no estado desde 2015. A confiança no trabalho permite o aumento dos gastos e o acesso mais facilitado ao crédito. É necessária essa análise porque, dado o cenário de festa local, o adicional de movimentação tem que vir através de mais emprego, e é por essa via que deve ajudar os setores no mês. Portanto, no geral, deve ser mais um ano positivo para a economia local e o empresário e empreender que possui alguma grau de relação com os festejos deve aproveitar o momento para obter um retorno financeiro, mas sempre atentos aos custos, negociando com fornecedores, reduzindo gastos supérfluos, para que possa garantir um resultado eficiente e satisfatório no que é chamado o réveillon do 1º semestre.