FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DE BENS, SERVIÇOS E TURISMO DO ESTADO DA BAHIA

Notícias

Vem aí a 3ª edição da Mostra Sesc de Música

Comércio
15 de maio de 2021

O Sesc realiza a 3ª edição da Mostra Sesc de Música, que visa contribuir para o desenvolvimento da produção autoral e valorizar os artistas da cena musical baiana. Essa é uma nova oportunidade dirigida aos músicos, compositores e intérpretes baianos de diferentes gêneros, estilos e formações. Os interessados podem se inscrever até o dia 30 de julho. 

Sem caráter competitivo, a proposta da Mostra é criar um ambiente de cooperação mútua entre os artistas, fortalecer a coletividade de músicos e proporcionar ao público a oferta de uma programação que represente a diversidade musical do Estado e o enriquecimento das experiências culturais.

Nesta edição, serão selecionadas 18 músicas por uma curadoria formada por André Simões (Andrezão), Marilda Santana e Raimundo Sodré, profissionais com reconhecida atuação no campo da música.

A Mostra acontece de 21 a 23 de setembro de 2017, no Teatro Sesc Casa do Comércio, em Salvador. Os artistas interessados poderão se inscrever até o dia 30 de julho presencialmente (terça a sexta, das 14h às 17h), pelo correio ou pelo site www.mostrasescdemusica.com.br. Mais informações: (71) 3273-8732/8765

Direção Artística

Fernando Marinho – Músico, ator, diretor e artista visual atuando no Brasil e no exterior desde a década de 1970 com desempenho nestas funções em dezenas de espetáculos de teatro, dança, música, artes visuais e diversos outros eventos na área cultural. Foi um dos fundadores da Companhia Baiana de Patifaria, gestor público por mais de oito anos, curador do Festival de Música Instrumental da Bahia, Coordenador Geral da Associação Instrumental da Bahia. Atualmente exerce o seu segundo mandato como Presidente do Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões do Estado da Bahia – SATED Bahia.

Curadoria

André Simões (Andrezão) – Produziu e/ou dirigiu artisticamente, nos últimos anos, projetos como: Música Falada  FHUBÁ (Festival de Humor da Bahia); DVD 25 Anos de Margareth Menezes;  O Teatro e o Baile, com Alexandre Leão; SAPOTI – Márcia Short canta Ângela Maria; show de relançamento do Prêmio Caymmi, bem como os Festivais Caymmi de Rua e a cerimônia de entrega da premiação; e Entre a Ponte dos Sonhos, show de lançamento do CD do poeta, compositor e cantador Maviael Mello; dentre outros. Sócio fundador do movimento musical ALAVONTÊ, grupo de grande sucesso mercadológico, e curador artístico, há 3 edições, do Projeto Salvador Boa Praça. Espetáculos de música no teatro: “Duas e Dois”, com Alexandre Leão, Cláudia Cunha, Yacoce Simões e Ana Mametto; “A Cor do Canto”, com o Grupo Vocal MP7; e “Carnaval, Música e Revolução”, com  Os Irmãos Macedo. Um dos apresentadores do Programa Roda Baiana, uma revista diária de arte, cultura, entretenimento, que vai ao ar há dez anos, de segunda a sexta, 13h, na Rádio Metrópole Fm, em Salvador e que se tornou um dos programas mais famosos para as discussões culturais da cidade.

 Marilda Santanna – Cantora, escritora e professora permanente do Programa Multidisciplinar de Pós-graduação em Cultura e Sociedade, do Mestrado profissional em Artes-PROFARTES e professora adjunta IV do Instituto de Humanidades Artes e Ciências Prof. Milton Santos-IHAC/UFBA; além de coordenadora do Bacharelado Interdisciplinar em Artes do IHAC-UFBA. É pós-doutora pela Universidade de Lisboa com pesquisa sobre Trocas culturais entre o Teatro de Revista em Portugal e no Brasil. Possui Doutorado em Ciências Sociais, mestrado em Artes Cênicas e graduação em História pela Universidade Federal da Bahia. Coordenadora do Bacharelado Interdisciplinar em Artes-IHAC-UFBA. Atualmente coordena a pesquisa “As Bambas do Samba no Grupo Canto de Cada Canto”, ligado ao CULT- Centro de pesquisa multidisciplinar em Cultura, da UFBA. Na área de gestão Cultural é criadora, gestora e curadora do Projeto Troféu Caymmi de 1985 a 2007 e curadora do Festival de humor e performance. Cantora, com 35 anos de carreira, possui dois CDs solos lançado, em 2002, em São Paulo e Bahia e em Salvador, em 2013, o CD “Qual é, baiana”. Possui um CD lançado em 2000 com o Grupo Vocal e performático As Raidiantes. Atuou como atriz com grandes diretores baianos, a exemplo de Fernando Guereiro, Márcio Meirelles, Benvindo Siqueira, Paulo Cunha, Luiz Marfuz, Celso Jr. e Fernando Marinho. Já conquistou alguns prêmios como cantora e atriz, a exemplo de: atriz revelação no Troféu Martim Gonçalves; Melhor Intérprete por dois anos consecutivos pelo Jornal da Bahia; e o Programa a Mais Bela Voz do Brasil de J. Silvestre. Transitando entre a academia e os palcos a artista-pesquisadora busca a síntese entre pesquisa e arte.

Raymundo Sodré – Cantor e compositor, conseguiu projeção nacional em 1980 com a música “A Massa” e LP homônimo. Com sua música recheada de nordestinidade, principalmente a derivada da música do Recôncavo, como chulas e sambas de roda, Raymundo Sodré fez uma música de cunho popular, porém, recheado de uma lírica de primeira qualidade. Antes do lançamento do LP, Raymundo Sodré participou do Festival da Nova MPB da Rede Globo no início do ano de 80 e fica em terceiro lugar com a música A Massa, composição dele e de Jorge Portugal, um misto de chula e baião com solo rasgado de viola que aglutina alguns sambas já existentes. O sucesso da canção empurra as vendagens do LP que ganha um Disco de Ouro pela vendagem de mais de 100 mil cópias naquela época. Seguiu pelo mundo e morou na Europa por mais de 10 anos se apresentando em diferentes cidades. Retornando ao Brasil deu continuidade ao seu trabalho musical de cantor e compositor e seu mais recente lançamento foi o CD Girassóis de Van Gogh. Nas palavras de Jorge Portugal, “Raymundo Sodré é um desses artistas essenciais do Brasil. Daqueles que têm morada perpétua no inconsciente coletivo do país, desde que pisou no Maracanãzinho em 1980 e colocou uma nação inteira para cantar, com paixão emocionada, a música A Massa, até os dias de hoje. A força telúrica do seu canto, os temas recorrentes de suas canções revelam que esse grande artista não traiu sua alma musical, a luta de sua gente e a beleza viva do seu som. Cantando as culturas de suas “Bahias” – Raymundo é plural mesmo! – ora expressa o sertão de sua Ipirá da Infância, ora o canto recôncavo da Santo Amaro de sua juventude. É assim que sua música dá conta de toda a riqueza e de todos as contradições que nos fazem um povo em construção”.

Edições anteriores

A primeira edição da Mostra SESC de Música, realizada de 11 a 16 de setembro de 2012, cumpriu seu papel e traçou um panorama da nova música feita na Bahia ao contemplar artistas soteropolitanos e de outras cidades do estado, revelando ao público novas canções e músicos. A curadoria, composta por Aderbal Duarte, Letieres Leite e Zeca Freitas, selecionou 36 músicas das 158 inscritas. Dirigida por Fernando Marinho, o público pode apreciar a produção musical baiana em três noites de apresentação, que incluiu o show de abertura com a Orquestra Rumpilezz. Além das apresentações musicais, foram realizados workshops sobre os mais variados temas e conduzidos pela equipe de peso que compôs a curadoria: O Universo Percusivo Baiano (Letieres Leite); O Improviso na Música – Uma visão brasileira (Zeca Freitas); e o Segredo do violão Bossa Nova – 16 / A Música Sertaneja de Luiz Gonzaga (Aderbal Duarte)

Na segunda edição da Mostra, realizada entre os dias 17 a 22 de setembro de 2013, se manteve o propósito de valorização das expressões que demonstram a qualidade e a diversidade artística do estado da Bahia. Consolidando e superando o sucesso da primeira edição, 262 músicas foram inscritas por artistas de Salvador, Santo Amaro, Santiago do Iguape, Vitória da Conquista, Feira de Santana, Cachoeira, Juazeiro, Santo Antônio de Jesus, Uruçuca, dentre outros municípios baianos. A curadoria, formada por Jarbas Bitencourt, Messias Bandeira e Tiganá Santana, selecionou 33 composições. A abertura teve as apresentações do grupo CAIM, formado por músicos selecionados na primeira edição da Mostra, e de Lenine. Além das apresentações, foram realizadas as “Conversas Musicais”, com os estudantes da Escola Sesc Zilda Arns, em Salvador, e os workshops “Música de Cena – Uma introdução à música como elemento da encenação” (Jarbas Bitencourt), “Ritmos de Kora e Artes de um Griô do Senegal” (Maher Cissoko) e “Distribuição musical em plataformas digitais” (Messias Bandeira).